quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Do voto facultativo e da utopia da democracia representativa

   Todo cidadão, à partir dos dezesseis anos de idade opcionalmente, e obrigatoriamente à partir dos dezoito, independe de credo, sexo, escolaridade, cor e capacidade cognitiva, tem direito ao voto - que tem peso comum entre todos cidadãos. A maioria das pessoas se orgulha disso. A maioria das pessoas são extremamente ignorantes, social e culturalmente e vota porque é obrigada, consequentemente vota por simpatia, fama, popularidade, aparência ou indução. É absurdo que um menor que é, perante o júri, considerado irresponsável pelos seus atos seja, simultaneamente, considerado apto ao voto. A obrigatoriedade do voto é nociva para a democracia e é definitivamente absurdo afirmarmos que o eleitor comum decide o futuro da nação - como é de costume ouvirmos por aí, em épocas como essa. O eleitor está limitado à sugestão e é alheio às escolhas do candidato, à partir do momento que o mesmo é eleito.  Democracia é utopia, e o amor de deus também.

3 comentários:

  1. A Democracia é a ditadura da maioria.

    ResponderExcluir
  2. A "democracia" brasileira é, de fato, uma utopia. Na verdade, não é só a brasileira, já que, a rigor, são pouquíssimos os sistemas democráticos.

    www.cinemapolis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Democracia é utopia...mas agora amor de Deus?? Pegou pesado!!!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget