quarta-feira, 28 de julho de 2010

Vir-a-ser

é implícito no ser
seguir no
constante tornar-se sem ser, na insaciabilidade de
perpetuamente desejar sem jamais se
satisfazer, na subverção de presentes
contínuos em
passados
desperdiçados, na finitude e na banalidade, na futilidade e na
constante busca utópica
pela felicidade perpétua, ilusória e
inalcançável. o ser precisa querer, mas o ser jamais quer o
que precisa. o ser quer sentido. o ser quer essência. o
ser quer plenitude.

o ser é demasiado
humano

e segue superestimando seus teres e haveres,
bem como seus comos e porquês, problemas e
soluções; perdas, amores,
doenças, heróis, vilões e paixões. o ser superestima sua própria
existência que afinal é tão

quanto tudo é: pois tudo que
foi
não mais é, e
tudo que
é,
imediatamente, já
foi.



...O ser tem
esperança
na
ventura do
porvir.

4 comentários:

  1. Caramba, hoje vi teu perfil e cacildas, olha os caras que você lê :
    Schopenhauer, Nietszche, Platão, Marx, Kant, Hemingway, Tolkien e muitos mais, agora entendi porque escreve e instiga o leitor tão bem .

    Muto bom seu blog . :D

    http://enorah.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. meu deus! vc é incrível, amei sua descrição, o fao de vc expor tanto de seus defeitos, ti mostra uma qualidade/1
    ameeei seu blog, mega intenso *O*

    ResponderExcluir
  3. "...O ser tem
    esperança
    na
    ventura do
    porvir"

    Sem mais a dizer!!!Genial...

    http://papodeumgaroto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. aaiii1 eu aqui d novo, seu post é incrível seu blo também *O* tanos favoritos!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget