segunda-feira, 28 de junho de 2010

Qualidade e quantidade, potencialidade, utensilidade

   O amarelo do limão não é um modo subjetivo de apreensão do limão: é o limão. De fato, o limão está integralmente estendido através de suas qualidades, e cada uma destas acha-se estendida através de todas as demais. A acidez do limão é amarela, o amarelo do limão é ácido; come-se a cor de um doce, e o gosto desse doce é o instrumento que desvela sua forma e cor ao que denominaríamos intuição alimentar; reciprocamente, se enfio o dedo em um vidro de geléia, o frio pegajoso da geléia é a revelação aos meus dedos de seu gosto açucarado. A fluidez, a tibieza, a cor azulada, a mobilidade ondulante da água de uma piscina se dão juntas, umas através das outras, e é esta interpenetração total que denominamos isto.

O Ser e o Nada - ensaio de ontologia fenomenológica; Sartre.

Um comentário:

  1. Gosto de limão,não pela cor,talvez pelo sabor,mas concerteza por me identificar com ele,rsrsrs.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget