quinta-feira, 10 de junho de 2010

Escrevo, amasso e arremesso

mais uma bolinha de
papel
sobre muitas outras bolinhas de
papéis escritas,
amassadas e
arremessadas. se minha altura fosse
equivalente ao tamanho do meu
ego
eu seria um ótimo jogador de basquete: um cesto cheio de
pensamentos inconclusivos e versos
ruins e devaneios
abortados.
imagino que
seria muito agradável descartar todas as outras
coisas
que não me
agradam
com
essa
facilidade.

4 comentários:

  1. '
    Gostaria de poder descartar certas coisas com a facilidade que me livro de uma bolinha de papel...

    Ótimo texto :D
    Estou seguindo...

    ResponderExcluir
  2. certas vezes até mesmo descartar uma simples bolinha de papel pode ser dificel

    adorei o poema parabéns :)

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Pena que não podemos descartar,tudo é irreversível.Mas pena nada,se não fosse assim não teria graça,não teria evolução e regreção.Tudo é muito complexo.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget